PCL 122, Martin Seempa e o Protestantismo Brasileiro

Os caminhos que separam a normalidade da anormalidade são similares, muitas vezes paralelos e com o mesmo código postal. Faço referência à homossexualidade, orientação sexual daqueles que sentem atração por pessoas do mesmo sexo. Como nos diz o professor Félix López Sánches, catedrático de Psicología Evolutiva na Universidade de Salamanca – autor do livro Homossexualidade e Família – a homossexualidade é algo natural, uma condição pertencente ao ser do homem, devendo ser aceita e compreendida pela família e pela sociedade. Não é o que pensa no entanto o pastor Martin Seempa, ugandense militante anti-homossexual que há poucos dias iniciou uma jornada com vistas a endurecer a legislação que pune a homossexualidade no país africano.

Segundo o professor Sanchez, “pedestres” – para seguir com a metáfora dos caminhos – que foram educados em anos de forte regime ditatorial, como os do Brasil ou da Espanha de Franco, por exemplo, possuem comportamento sexofóbico, que envolve distorções não apenas na maneira de pensar, sentir e de medo “irracional da homossexualidade”, como ainda na forma de relacionar-se com a família: na maioria das ocasiões discriminando, e o que é pior, rechaçando parentes e amigos que sejam homossexuais.

A homossexualidade, como dizia para minha mãe outro dia desses, ninguém escolhe ser o que é: não se escolhe ser negro, ser idoso, ser brasileiro, tão somente se é; ninguém escolhe ser discriminado, rejeitado pela família, privado de expressar afeto em público. As pessoas são o que são, e como o que é normal para mim, aceitável, tolerável pode ser anormal, inaceitável e intolerável para o outro, a homossexualidade, em alguns campos do debate, é vista como anomalia e comportamento, classificação essa forjada com a clara intenção de desqualificar a discussão entorno da homofobia.

É o que pretende o citado pastor africano e um grupo de religiosos brasileiros que ignoram o fator orientação sexual, reduzindo-o a comportamento, argumentando lá, na África, que comportamento deve ser punido por lei, e aqui, no Brasil, desacelerando projetos de lei que visam criminalizar a homofobia, como o PCL 122.

A homossexualidade precisa, então, ser compreendida como orientação, como parte mesma do ser do homem para que se possa tolerar, respeitar e sobretudo proteger essa parcela da população, que apenas no Brasil sofre uma baixa a cada três dias.

Carlos Henrique Lucas Lima,
tradutor do livro Homossexualidade e Família e escritor.

Anúncios

~ por chlucaslima em março 21, 2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: